Apenas um terço dos associados da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) já pagou a taxa de segurança alimentar, disse esta segunda-feira o presidente da entidade.

«Alguns associados, um terço, decidiram pagar, mais de um terço decidiu não pagar e os restantes um terço estão hesitantes», afirmou Luís Reis, num encontro com jornalistas, quando questionado sobre o ponto de situação do pagamento da taxa de segurança alimentar.

«Está tudo na mesma», afirmou o presidente, citado pela Lusa, acrescentando que a APED tem «mantido reuniões regulares» com o Governo sobre o assunto.

Esta taxa «é um custo de contexto inexplicável», acrescentou.

Esta taxa é devida como contrapartida da garantia de segurança e qualidade alimentar, pelos estabelecimentos de comércio de produtos alimentares de origem animal e vegetal, frescos ou congelados, transformados ou crus, a granel ou pré-embalados.