A REN, a EDP ou a Galp têm condições para pagar a taxa sobre o setor energético, prevista no Orçamento para 2014, garantiu o ministro da Economia, Pires de Lima.

«Espero que a repartição e a equidade de esforços sejam percebidas por toda a sociedade. Não só pelas pessoas individuais, pelas famílias, por aqueles que trabalham no setor público - como nós -, mas também pelas instituições e setores a quem está a ser pedido, transitoriamente, um esforço suplementar, e que nós sabemos bem que podem dar», salientou o governante.

Saiba o que cada empresa vai pagar

Questionado sobre o facto de algumas destas empresas admitirem recorrer às instâncias competentes para travar a nova taxa, Pires de Lima considera os protestos naturais, defendendo que os sacrifícios têm de ser feitos por todos.