A Mota-Engil, através da participada SUMA, ficou em primeiro lugar no concurso para o processo de privatização da Empresa Geral de Fomento, segundo um relatório da Parpública e da Águas de Portugal, a que o Diário Económico teve acesso.

Nesta última fase do processo estavam quatro concorrentes: além da Mota-Engil, FCC e DST, estava em cima da mesa uma proposta do grupo belga Indaver, que foi desclassificada devido ao facto de a oferta não ser vinculativa.

Se o Governo aceitar a recomendação da Parpública e AdP, não haverá uma ronda final de negociações, em que participariam os correntes mais bem classificados, e onde o Estado poderia obter um encaixe superior de dinheiro face aos valores apresentados nesta primeira fase.

Os três concorrentes têm até sexta-feira para endereçar comentários e/ou contestações sobre este relatório preliminar da Parpública e AdP. Só depois deste período as duas empresas públicas irão apresentar um relatório final sobre a privatização da EGF.