A empresária angolana Isabel dos Santos e a Sonae manifestaram esta quinta-feira disponibilidade para «integrar uma solução» para a PT Portugal que promova «a defesa do interesse nacional».

Altice oferece 7 mil ME pela PT Portugal

«A ZOPT, SGPS, SA, e os seus acionistas, na qualidade de investidores estratégicos e comprometidos com o mercado de telecomunicações português, na sequência das notícias recentemente vindas a público sobre possíveis alterações na estrutura acionista da PT/Oi, (...) manifestam a sua disponibilidade para integrar uma solução», anunciou hoje em comunicado a empresa, detida por Isabel dos Santos e pela Sonae, nota a Lusa.

Esta solução, lê-se no comunicado, «em aberta colaboração com as partes envolvidas», deverá assegurar «o necessário compromisso de interesses, promovendo a defesa do interesse nacional».

A ZOPT manifesta convicção na «existência de alternativas que salvaguardem o valor acionista, contribuam para o desenvolvimento e investimento no sector, assegurando mais competitividade e valor para os clientes» da PT Portugal.

Na terça-feira, a angolana Unitel considerou «grave» o «incumprimento reiterado do acordo parassocial por parte da PT», adiantando que, nesta fase, «todas as opções legais estão disponíveis e em ponderação».

Numa nota de imprensa, após uma reunião dos acionistas em Luanda, a Unitel considerou «claro e grave o incumprimento reiterado do acordo parassocial por parte da PT/PTI, sendo o mesmo gerador, em si mesmo, de perda de confiança no acionista, pelo que todas as opções legais e em cumprimento da lei estão disponíveis e em ponderação».

Face ao processo de fusão com a PT, a Oi confirmou, no final de agosto, que está em conversações para vender a participação na Unitel a outros acionistas, por 2.000 milhões de dólares (mais de 1.500 milhões de euros).

A Oi ficou com a posição da Unitel quando a PT SGPS contribuiu com os seus ativos, no aumento de capital em maio, como parte do acordo de fusão.

Na segunda-feira, personalidades como Bagão Félix, Francisco Louçã, Freitas do Amaral e Manuel Carvalho da Silva subscreveram um «apelo para resgatar a PT», em que exigem «das autoridades políticas e públicas uma atuação intensamente ativa» na empresa.

A Oi e a PT anunciaram a fusão dos seus ativos em outubro do ano passado. Este ano, no entanto, o acordo foi abalado após as notícias sobre a operação de compra de dívida da RioForte, holding do Grupo Espírito Santo (GES), pela PT.

A polémica em torno da operação levou, no início do mês passado, à renúncia de Zeinal Bava, que ocupava a presidência da Oi desde junho de 2013.

A multinacional do sector das telecomunicações 'Altice', que detém a portuguesa Cabovisão, anunciou, entretanto, uma oferta de 7.025 milhões de euros para a compra dos ativos PT fora de África.