O grupo Mello, que detém a José de Melo Saúde, está a estudar entrar na corrida à Espírito Santo Saúde. Segundo o Diário Económico, o grupo está interessado em tomar uma posição de 51%, intenção que implica um investimento de 300 milhões de euros, valor necessário para tomar essa posição e também superar em pelo menos 2% o valor oferecido pelo grupo mexicano Ángeles, na OPA voluntária lançada recentemente.

Mas este não é o único interessado: há uma probabilidade elevada da Fidelidade se juntar à corrida. O grupo segurador, detido maioritariamente pelos chineses da Fosun, foi desde início identificado como candidato à compra, e, além das facilidades de liquidez, a compra permitira potenciais ganhos fruto das sinergias que existem naturalmente entre os negócios.

Outro nome que pode estar na corrida é a brasileira Amil, que adquiriram no ano passado os HPP à Caixa.