A Caixa Geral de Depósitos (CGD) concluiu o processo de reestruturação da sua operação em Espanha, tendo concluído o redimensionamento da rede, e registou uma melhoria dos resultados naquele país entre janeiro e março.

O BCG Espanha já deu um lucro de 7,1 milhões de euros no primeiro trimestre, valor que compara com o prejuízo de 700 mil euros no período homólogo de 2013. Ainda assim, a sucursal da CGD em Espanha continua a dar prejuízo, ainda que tenha havido uma forte recuperação ao nível dos resultados.

Nos primeiros três meses do ano, a sucursal espanhola teve um resultado líquido negativo de 13,8 milhões de euros, uma melhoria face aos prejuízos de 32,4 milhões de euros no mesmo período do ano passado.

Em termos combinados, Espanha deu um prejuízo de 6,9 milhões de euros à CGD, quando no primeiro trimestre de 2013 tinha dado um resultado líquido negativo de 35,9 milhões de euros.

«A atividade em Espanha evidencia uma melhoria, quer ao nível do Banco Caixa Geral Espanha, quer ao nível da sucursal, em resultado da reestruturação de toda a operação, iniciada em 2012», destacou em comunicado a CGD, acrescentando que os resultados obtidos decorrem do «processo de saneamento e melhoria da qualidade da carteira de crédito».

Esta evolução permitiu que o contributo da atividade internacional para os resultados consolidados da CGD passasse de 10,9 milhões de euros negativos em março de 2013 para lucros de 22,7 milhões de euros em março de 2014.

«A rede internacional contribui de forma visível para o resultado líquido consolidado», sublinhou o banco público, realçando a «captação de recursos» nas suas unidades fora de Portugal.

Os depósitos de clientes nas operações internacionais ascendem a 13,5 mil milhões de euros, com o foco na Ásia, com 4,3 mil milhões de euros, em África com 3,6 mil milhões de euros, em Espanha com 2,5 mil milhões de euros e em França com 2,3 mil milhões de euros.