O presidente do BES disse que todo o banco está mobilizado para «passar a tormenta» e que estão a ser estudadas operações para evitar que os rácios de capital do banco vão abaixo do mínimo exigido pelos reguladores.

«Temos de dar a volta. Todo o BES está mobilizado para dar a volta a estes prejuízos, passar a tormenta e regressar a uma fase mais favorável», disse Ricardo Salgado na conferência de imprensa de apresentação de resultados do primeiro semestre, quando o banco teve prejuízos de 237,4 milhões de euros.

Sobre se há o risco de o banco recorrer a dinheiros públicos para reforçar capitais (o BES aumentou capital por meios próprios e não recorreu ao Estado, ao contrário de CGD, BCP, BPI e Banif) o banqueiro disse, sem responder diretamente à questão, que o banco está a fazer tudo para que manter «rácios sólidos».

«A realização de prejuízos está diretamente relacionada com crédito vencido e necessidades de provisionamento para crédito, títulos e imóveis. Acreditamos que estamos bem provisionados e que podemos entrar numa fase mais favorável», afirmou ainda Ricardo Salgado.

O BES fechou o primeiro semestre com um rácio de capital de 10,4% de acordo com o Banco de Portugal e de 9,5% segundo as regras mais exigentes da Autoridade Bancária Europeia (EBA), acima dos mínimos exigidos. Ainda assim, estes rácios eram mais elevados no final do ano passado: 10,5% E 9,9%.

Também no primeiro semestre, o banco aumentou as provisões em 75,3% face há um ano atrás para 747,3 milhões de euros. Um aumento que Ricardo Salgado disse que também teve que ver com «a ação dos supervisores e da troika», que recomendaram um ajustamento das imparidades e um reforço dos valores por prudência, o que o banco já fez no último trimestre.

Ricardo Salgado disse também hoje que o crédito vencido do BES aumentou em 674 milhões de euros no primeiro semestre face ao período anterior e em 328 milhões de euros no segundo trimestre.

Ainda sobre as medidas que ajudarão o banco a manter os capitais nos níveis adequados, também o administrador financeiro Morais Pires disse que o BES está «permanentemente a estudar alternativas para, se necessário, reforçar» os rácios de capital.

Depois de no primeiro semestre o BES ter feito aquilo a que chama «uma operação de monetização» do valor da carteira de produtos de Vida Risco, pela qual transferiu todos os riscos inerentes para a resseguradora Munich Re e que teve um impacto de 40 pontos base no rácio Core Tier 1, Morais Pires admitiu que outras operações semelhantes podem ser feitas para reforçar capital, tal como securitização de crédito.