Os sindicatos propuseram à administração do BCP que até aos mil euros de salário líquido não haja reajustamentos salariais, avança o Económico. A partir desse valor, o reajustamento pode ir de 3% a 12,5%, em função da remuneração auferida.

O BCP tinha proposto cortes salariais entre 5% e 10%, para poupar 135 milhões de euros até ao final do programa acordado com Bruxelas devido à recapitalização do banco.

Para cumprir o acordo, o banco terá de fazer uma redução de custos com pessoal, de forma a não ultrapassar os 392 milhões de euros em 2017, e um máximo de 7.500 trabalhadores.