O Bank of Ireland (BoI), maior banco privado da Irlanda, obteve no primeiro semestre do ano um resultado líquido de 344 milhões de euros, depois de prejuízos de 464 milhões de euros registados no mesmo período de 2013.

Num comunicado dirigido à Bolsa de Londres, o banco resgatado pelo Governo irlandês depois da 'bolha imobiliária' ter rebentado em 2008, sublinhou que pela primeira vez em cinco anos «volta a ser rentável e a gerar capital».

Assim, as receitas do BoI aumentaram para 1.475 milhões de euros na primeira metade do ano, registando um aumento de 24% face ao período homólogo de 2013, devido em parte «à expansão da margem líquida dos juros», adianta.

O BoI, cujo resgate custou ao Governo de Dublin 4.800 milhões de euros, que mantém uma participação de 14%, também conseguiu situar em 444 milhões de euros o fundo de provisões para enfrentar não pagamentos de empréstimos associados a ativos tóxicos, menos 43% que no mesmo período de 2013.

Segundo o comunicado, outra prova da recuperação económica é o facto de que as operações da banca a retalho na Irlanda registaram perdas de 28 milhões de euros entre janeiro e junho, menos 311 milhões de euros do que em 2013.

«O aumento das margens líquidas dos juros e a redução significativa dos fundos de provisão para não pagamentos contribuíram para alcançar estes resultados», declarou no comunicado o administrador executivo do BoI, Richie Boucher.

O responsável assegurou que o «volume dos empréstimos com problemas de morosidade» continuou a cair e reduziu-se em 400 milhões de euros desde dezembro último, refletindo "os esforços da instituição para apoiar de forma apropriada e viável os clientes com dificuldades».

«Temos capital, liquidez e infraestrutura para sustentar o nosso negócio e os nossos objetivos de crescimento», adiantou o executivo.

O ministro das Finanças irlandês, Michael Noonan, felicitou hoje o BoI por ter regressado aos lucros depois de cinco anos de «números vermelhos» e recordou que desde que foi resgatado, o Estado já recebeu do banco 6.000 milhões de euros.

«Como proprietário de 14% do Bank of Ireland, estas são boas notícias para o contribuinte irlandês. O investimento na instituição demonstra que o Estado pode obter lucros», afirmou o ministro, precisando que as ações que o Estado detém têm agora um valor de 1.200 milhões de euros.