O Lloyds Banking Group anunciou esta quinta-feira que reduziu o prejuízo para 1.005 milhões de euros em 2013, face ao ano anterior.

Em comunicado, o Lloyds informou ainda que o montante destinado aos prémios do pessoal ascendeu a 474 milhões de euros, uma quebra de 8,2% face ao ano anterior, e que o prejuízo em 2012 atingiu os 1.765 milhões de euros, contra 1.005 milhões de euros no ano passado. O presidente executivo do banco, António Horta Osório, recebeu um prémio de 2 milhões de euros, que será atribuído sob a forma de ações.

As receitas totais do grupo, no qual o Governo britânico tem uma participação de 32,7%, caíram ligeiramente para os 45.582 milhões de euros.

Durante a conferência de imprensa de divulgação dos resultados do exercício de 2013, Horta Osório disse que nos últimos três anos o banco se fortaleceu para se converter numa instituição financeira de baixo risco e numa entidade comercial centrada em ajudar o cliente e a economia britânica.

Graças ao compromisso com os funcionários do banco, o grupo «está em melhor situação», realçou Horta Osório, destacando que «há oportunidades de crescimento na área comercial e no negócio do retalho».

O banco tem apoiado a economia britânica através de empréstimos, nomeadamente para quem compra habitação pela primeira vez.

No segundo semestre deste ano, o banco espera solicitar aos reguladores do mercado bancário britânico o pagamento de dividendos em 2015.

No ano passado, o Governo britânico iniciou o processo de privatização total do banco ao vender 6% da sua participação no capital social, tendo esta baixado de 38,7% para 32,7%

O Governo prevê vender a sua participação no Lloyds até ao final deste ano.