Cinco dois maiores bancos do mundo foram condenados, pelas autoridades dos Estados Unidos, ao pagamento de multas avultadas pela manipulação das taxas de câmbio. No total, as multas perfazem um valor recorde que ronda os 5,7 mil milhões de dólares (cerca de 3,6 mil milhões de euros).

Quatro dos bancos em causa, os norte-americanos JPMorgan e Citigroup e os britânicos Barclays e RBS, podem ter de enfrentar processos criminais nas instâncias norte-americanas.

Já em relação ao quinto banco, o suíço UBS, o pagamento de uma multa de 545 milhões de dólares (490 milhões de euros) vai ser o suficiente para encerrar o caso. O banco conseguiu um acordo depois de se ter declarado culpado num outro escândalo bancário, onde foi acusado de manipular as taxas Libor.

O Barclays terá ainda que despedir oito funcionários.

Segundo a advogada norte-americana Loretta Lynch, durante cinco anos e quase todos os dias, responsáveis dos bancos usaram uma sala de conversação eletrónica para manipular as taxas de câmbio. Lynch sublinhou que as suas ações "prejudicaram inúmeros clientes, investidores e instituições em todo o mundo".