É mais um banco a apresentar prejuízos e a reconhecer que os ativos em carteira valem menos do que se estimava. O Montepio prepara-se para apresentar os resultados do primeiro semestre do ano e, ao que a TVI apurou, os prejuízos vão rondar os 60 milhões de euros.

Este valor representa praticamente o dobro face aos 28,9 milhões de euros perdidos no mesmo período do ano passado.

Fontes explicaram à TVI que os prejuízos se devem sobretudo ao reconhecimento de imparidades, por um lado relacionadas com o fundo Vallis, ligado à construção, e por outro, com as obrigações da brasileira Oi, adquiridas há uns anos e que valem hoje apenas um quinto do valor inicial.

Sem estes fatores, considerados pontuais, o banco teria registado resultados positivos no segundo trimestre. Mas o reconhecimento de imparidades ainda pode estar longe do fim, já que o nível do crédito em risco ronda os 15%, acima da média do sector.

A TVI sabe também que a venda do Montepio Crédito, que estava a ser negociada com o grupo britânico Cabot Square Capital no âmbito do plano de reestruturação do banco, caiu por terra.

São várias pedras no sapato do Montepio Geral, numa altura em que o banco vive um momento de tensão social, depois de ter cortado o subsídio de isenção de horário a quase 500 funcionários. A questão está a colocar em causa a renovação do acordo coletivo, sem o qual os trabalhadores da instituição deixam de ter acesso ao subsistema de saúde SAMS Quadros.