O Estado arrecadou 76 milhões de euros em coimas aplicadas por infrações rodoviárias nas estradas portuguesas em 2013, disse o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, na Assembleia da República.

O governante, ouvido na comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas, sublinhou, no entanto, que se registou uma quebra de nove por cento relativamente a 2012 no valor global das coimas impostas a condutores.

Miguel Macedo explicou a diminuição do total de coimas arrecadadas em 2013 com a quebra das contraordenações e com a redução dos «pagamentos voluntários».

O secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida, revelou números que confirmam a tendência de diminuição nos pagamentos a título voluntário: 778.800 condutores pagaram coimas de moto próprio em 2011, enquanto apenas 567.926 condutores o fizeram em 2013.

O ministro da Administração Interna revelou ainda que, no ano passado, registaram-se 1.313.000 autos de infração rodoviária, «o que significa uma quebra de 14 por cento face a 2012».

Os números de 2013 já fechados referem que 1.168.00 autos foram decididos, mais 14% do que em 2012, o que permitiu «recuperar o que tínhamos em atraso», como salientou Miguel Macedo.

Contudo, o governante lamentou que «ainda existam muitos autos prescritos», que, em 2013, atingiu os 261.000 autos, menos 30 por cento em relação a 2012.