Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa entregaram esta quinta-feira um pré-aviso de greve para o próximo dia 24 de fevereiro, contra «o silêncio da administração» para com as organizações sindicais que querem discutir «questões de trabalho».

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) realizou hoje de manhã, junto à estação do Saldanha, um plenário de trabalhadores para discutir problemas laborais, que terminou cerca das 11:00, de acordo com fonte sindical.

Em declarações à agência Lusa, Anabela Cavalheira, da Fectrans revelou que os trabalhadores decidiram reiniciar um novo processo de luta, tendo já entregado um pré-aviso de greve parcial para o próximo dia 24 de fevereiro.

Os funcionários do Metro contestam «o silêncio da administração relativamente a todas as organizações representativas dos trabalhadores».

«Em meados de janeiro pedimos uma reunião à administração e até agora não temos qualquer resposta», disse Anabela Carvalheira.

De acordo com a sindicalista, os sindicatos pretendem discutir questões de trabalho e não questões remuneratórias.

«Nomeadamente, a necessidade de termos mais efetivos na área operacional, a questão da alteração unilateral de horários e de férias e, também, o facto de não estarem a ser cumpridas algumas cláusulas do Acordo de Empresa, nomeadamente as avaliações de desempenho», explicou.

Fonte da empresa disse à Lusa que a circulação no Metropolitano de Lisboa ficou normalizada às 12:00, após algumas perturbações devido à realização hoje de manhã de um plenário de trabalhadores.

A mesma fonte afirmou que a empresa não se pronuncia em relação às pretensões dos trabalhadores.