Na próxima semana há três dias de greve parcial no Metro de Lisboa. Os maquinistas param três horas no início de cada serviço entre quarta e sexta-feira, dias 9, 10 e 11.
 
Fonte do sindicato dos transportes, SITRA, disse à TVI que esta greve, a primeira desde que o governo de António Costa tomou posse, tem a ver com um "contexto diferente".
 
O motivo é a alteração radical do esquema de férias dos maquinistas que existe há dezenas de anos. A fonte do SITRA anunciou que ainda hoje os sindicatos vão enviar uma carta ao primeiro-ministro para uma reunião e que espera que a paralisação possa ser desconvocada.
 
Esta greve parcial da próxima semana foi marcada antes da tomada de posse do governo de António Costa. Fonte do sindicato revelou que, esta terça-feira, deu entrada o pré-aviso para mais três dias de greve: 12, 13 e 14 de dezembro.
 
Recorde-se também que o executivo socialista tem planos para reverter as concessões que estiveram na origem das recentes greves nos transportes. 

A greve poderá ter como consequência o atraso da abertura das estações e causar perturbações no funcionamento.