As quedas da Banca, da Galp e da PT SGPS levam a Bolsa de Lisboa a perder 0,7%, acompanhando o movimento negativo na Europa perante receios de que a vitória do partido de esquerda anti austeridade, Syriza, nas legislativas gregas conduza a um aumento da instabilidade na Europa.

«A bolsa nacional acompanha as quedas europeias, reflexo esperado das eleições gregas de ontem, ainda que a vitória do Syriza já estaria algo descontado nos mercados», explicou Luís Gonçalves, trader da Go Bulling no Porto, à Reuters.

Acrescentou que «por cá, o principal destaque é a descida da PT, que mais não é do que um movimento de correção técnica face aos ganhos da última sessão».

As ações da PT SGPS lideram as descidas no índice, ao recuarem 4,5%, num movimento de correção ao disparo de 11,24% com que fechou na passada sexta-feira, após a aprovação da venda da líder nacional das telecoms PT Portugal aos franceses da Altice, por 7.400 milhões de euros (ME).

Este ‘OK’ dado pelos acionistas da PT SGPS, com 98% dos votos, pôs um ponto final ao projeto de criar um player 
global lusófono com a união entre PT e a brasileira Oi.

Pressão adicional da Galp Energia, a descer 1,8%, em linha com a queda de 2% do barril de Brent, que negoceia em 47,83 dólares, apesar de ter anunciado uma subida do crude processado e da margem de refinação, no quarto trimestre de 2014.

Cenário negativo também na banca, estando o Millennium bcp e o BPI a descerem 1,3% e o Banif a cair 1,61%.