A Bolsa de Lisboa registou, esta quarta-feira, o primeiro desempenho positivo da semana, acompanhando a tendência europeia. As bolsas europeias estão a ser puxadas pela apresentação de resultados das empresas e pelo alívio da situação nas bolsas chinesas, que também terminaram em terreno positivo, depois das quedas dos dois primeiros dias da semana.

Em Lisboa, o destaque foi para a operadora NOS, que valorizou mais de 5%, depois de ter anunciado uma subida de 31% dos lucros no segundo trimestre, para 24,1 milhões de euros, a recolher já benefícios da fusão entre a ZON e a Optimus. A operadora chegou a atingir valores máximos de 2008 e fechou a valer 7,9 euros por ação.

A beneficiar também do aumento dos lucros no primeiro semestre esteve a Galp Energia. Depois de já na terça-feira ter valorizado mais de 2%, esta quarta-feira a empresa ganhou mais 2,5% para 10,57 euros por ação.

A Semapa esteve também em destaque na bolsa, na primeira sessão depois de ter concluído a oferta pública de troca com ações da Portucel. O resultado não permite à holding de Pedro Queirós Pereira lançar uma oferta potestativa e ser retirada da bolsa, como era intenção inicial, pelo que a holding se vai manter cotada. Os títulos da Semapa valorizaram 2,22%, para 12,44 euros por ação.
 

Banca penalizada apesar dos lucros

 
A nota negativa, nesta quarta-feira, foi para os títulos da banca. O BPI perdeu 1,174%, no dia em que apresentou resultados, já depois do fecho do mercado. Os lucros do BPI atingiram 76,2 milhões de euros no primeiro semestre, quando os analistas citados pela agência Reuters esperavam lucros de 65 milhões de euros.

O Millennium BCP continuou a ser penalizado na bolsa, com uma queda de 1,667%, apesar de ter apresentado lucros de 240,7 milhões de euros no primeiro semestre. Os analistas mostram preocupação com os rácios de capital e com a evolução do crédito malparado.

Nota negativa ainda para o Banif, a ser penalizado na sequência da abertura, pela Comissão Europeia, de uma investigação aprofundada aos auxílos atribuídos pelo Estado português. Os títulos do Banif perderam esta quarta-feira 1,587%.