O PSI-20 encerrou a segunda sessão da semana no vermelho, ainda assim a perder menos do que as pares europeias.

Lisboa desceu 0,54%, para os 5.507,53 pontos, com apenas quatro cotadas no verde.

Do lado das perdas, a Mota-Engil liderou, ao tombar 4,6%, nos 4,49 euros por ação. Seguiu-se a Sonae, a cair 3,2%, fixando o preço das ações em 1,07 euros.

No setor da banca, o BPI depreciou 3,1%, com cada ação a valer 1,51 euros, o Banif caiu 2,6%, com os títulos nos 0,008 euros e o peso pesado BCP desceu 0,9%, com as ações a custar 0,099 euros.

Recorde-se que esta terça-feira a agência de notação Moody's admitiu baixar o rating de seis bancos portugueses. A agência justifica a decisão com o novo mecanismo de resolução bancária introduzido na União Europeia, uma vez que «aumenta os riscos para os credores dos bancos com dívida sénior».

O setor da energia também deu uma contribuição negativa no balanço da Bolsa de Lisboa: a EDP caiou 0,96%, nos 3,31 euros, enquanto a Galp depreciou 0,6%, fixando o preço dos títulos em 12,21 euros.

No verde, destaque para a PT, que apreciou 1,04%, a valer 1,65 euros por ação. É a reação ao comunicado da brasileira Oi que garante que não recebeu qualquer proposta para a venda de ativos em Portugal e também ainda não decidiu se quer vender esses ativos. O comunicado surgiu em resposta aos rumores que ditam o interesse da Altice na PT.

A Jerónimo Martins foi a única forte subida no índice: a retalhista encerrou a trepar 2.4%, com as ações a valer 8,34 euros.

Na Europa, hoje o dia foi de perdas acentuadas: Madrid tombou 1,9%, Paris caiu 1,8%, Milão desceu 1,7%, Frankfurt caiu 1,2% e Londres depreciou 0,6%.