O PSI20 perde 3% e acompanha uma sessão negativa nas bolsas da Europa, castigadas por novos dados macroeconómicos fracos na China, que intensificam o nervosismo sobre a travagem da segunda maior economia do mundo.

O índice PMI oficial, que segue a actividade da industria transformadora chinesa, caiu para 49,7 em agosto, o valor mais baixo em três anos, mas em sintonia com as estimativas dos analistas, dos 50 registados no mês anterior.

o FTSEurofirst 300, índice que acompanha as 300 maiores cotadas europeias, desce 2,7%, com Londres e Madrid a tombarem pelo mesmo valor, enquanto Paris e Frankfurt descem 2,5%.

Adicionalmente, outro índice para a indústria transformadora na China, o PMI Caixin/Markit, mostrou uma leitura final de 47,3 em Agosto, em mínimos de Março de 2009.

Estes dados vieram reforçar receios de um forte abrandamento da economia, apesar das várias medidas de apoio anunciadas pelas autoridades chinesas e que incluem uma desvalorização da moeda e cortes nas taxas de juro para empréstimos e depósitos.

No mercado petrolífero, o preço do barril de Brent  afunda 3,71% para 52,14 dólares e o de Crude cai 3,56% para 47,45 dólares, também penalizados pelos receios sobre a economia chinesa.
Segundo operadores, os investidores estão também a realizarem maisvalias após as subidas de mais de 8% esta segunda-feira.

Lisboa sem ganhos

 
Na bolsa de Lisboa, os 18 atuais títulos dos PSI20 seguem no vermelho, e todos com quedas superiores a 1%.
Os pesos-pesados pressionam o índice, com a Jerónimo Martins a cair 3,32%, a EDP 2,69% e o Millennium bcp 3,33%.

Nos outros bancos cotados, o Banif  lidera as quedas com um tombo de 5,45%, enquanto o BPI cai 2,92%.

O Banco de Portugal convidou os norte-americanos da Apollo para negociações exclusivas para comprar o Novo Banco, após ter falhado um acordo com a seguradora chinesa Anbang.

Destaque ainda para a Pharol, que cai 4,5%, tendo chegado a perder 6,1% para perto de mínimos históricos, após a holding, maior acionista da Oi, ter divulgado resultados que espelham as dificuldades que a telecom e a economia brasileira enfrentam, segundo dealers.

Em Wall Street, os principais índices perdem entre 1,5% e 1,8%, também pressionados pelo receios sobre a economia chinesa.