As autoridades judiciais e de supervisão estão a investigar suspeitas de infidelidade, falsificação de documentos e abuso de confiança relacionadas com a gestão de carteiras de clientes do antigo BES, revela o Diário Económico.

Estes indícios de irregularidades e ilicitudes na gestão e comercialização de contratos de gestão foram enviados no fim de agosto pela CMVM ao Ministério Público.

Não foi ainda possível confirmar se este esquema é o mesmo que a KPMG detetou em julho e que serviria para financiar o GES com dinheiro de clientes do BES, por via de obrigações emitidas e de seguida recompradas pelo banco.

O diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal reuniu, na semana passada, com os responsáveis da CMVM e Banco de Portugal, para trocar informações no âmbito da investigação dos processos relacionados com o GES.

O MP abriu três inquéritos à gestão do grupo que foram entregues à equipa multidisciplinar, criada logo depois do colapso do BES. A auditoria forense, que ainda está a decorrer, procura descobrir responsabilidades individuais que possam ter estado na origem do fim do BES.