Esta sexta-feira encerrou mais uma semana negativa para os mercados globais, influenciados quer pela acentuada queda dos preços do petróleo, quer pelos sinais de abrandamento da economia chinesa, com efeitos globais. As bolsas chinesas já perderam mais de 20% desde o início do ano.

Os investidores temem também o impacto que a queda do petróleo possa ter na economia global, depois do barril de Brent ter chegado a negociar a 29,31 dólares, o valor mais baixo desde novembro de 2003.

As bolsas europeias foram arrastadas por este clima de incerteza e sofreram quedas superiores a 2%: Frankfurt caiu 2,82%, Londres 2,1%, Milão 3,07% e Madrid 3,05%.


Lisboa com maior queda da Europa


A Bolsa de Lisboa liderou, mais uma vez,  as quedas na Europa, o que pode ser justificado pela dimensão do mercado e pela reduzida liquidez. O índice PSI 20 está agora nos 4.832 pontos, o mesmo nível de janeiro de 2015.

Os títulos da Mota-Engil foram os mais afetados esta sexta.feira, com uma queda de 8,9%, seguidos pelas ações da Altri (- 8,475%). Jerónimo Martins, Semapa e Teixeira Duarte recuaram mais de 5% e Portucel,  BCP e Nos mais de 4%.

Referência ainda para a Galp, a ser penalizada pela desvalorização do petróleo, com um recuo de 3,236%, no dia em que todos os títulos do índice principal fecharam em terreno negativo.