O consumo mundial de petróleo deverá atingir 90,68 milhões de barris diários em 2014, mais 1,2% do que em 2013, o maior aumento da procura desde 2010, segundo as previsões da OPEP divulgadas esta quarta-feira.

No novo relatório sobre a situação do mercado petrolífero, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) sublinha que este aumento do consumo de petróleo será sustentado sobretudo pelos países em vias de desenvolvimento, já que nos países mais ricos a procura continua a diminuir.

Contudo, o relatório adverte que as estimativas sobre o consumo de petróleo estão sujeitas a «incertezas» e dependem do «ritmo de recuperação do crescimento económico» nos Estados Unidos, na zona euro e na China.

Por regiões, a Ásia e, especialmente, a China lideram o consumo de petróleo.

A OPEP prevê que o país comunista consuma em 2014 uma média de 10,14 milhões de barris de petróleo por dia, mais 3,3% que em 2013 e apenas menos 20% que todos os países ricos da Europa em conjunto.

Os países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), que agrupa os Estados mais industrializados, deverão consumir em 2014 menos 0,47% do que este ano.

Na América Latina, que consumirá mais 3,6% de petróleo do que em 2013, a OPEP destaca os casos do Brasil, responsável por quase metade do consumo de toda a região, e a Argentina, como os países que mais fomentam o consumo de petróleo.

A Argentina é responsável por cerca de 11% do consumo de petróleo da América Latina.

Em relação ao fornecimento de petróleo, os 12 Estados da OPEP perderão cerca de 300 mil barris diários, prevendo-se que a procura dos produtos da OPEP se cifre em 29,6 milhões de barris por dia, cerca de 32% do consumo mundial.