A Comissão Europeia infligiu hoje multas a seis grandes instituições financeiras internacionais por manipulação das taxas de referência em euros (Euribor) e ienes (Tibor), num montante total recorde de 1,7 mil milhões de euros.

Os bancos punidos pela participação nestes cartéis foram o Deutsche Bank, a Societé Générale, o Royal Bank of Scotland (RBS), o JPMorgan, o Citigroup, o RPMartin, tendo a multa acumulada mais pesada, de 725 milhões de euros, sido imposta ao Deutsche Bank, visado em ambos os inquéritos.

Duas outras instituições financeiras, Barclays e UBS, que também participaram nos cartéis, beneficiaram de imunidade por terem revelado a existência de um conluio a Bruxelas e terem colaborado nas investigações.

O anúncio foi feito pelo comissário europeu da Concorrência, Joaquín Almunia, que, em conferência de imprensa, considerou «chocante» o facto de, além da manipulação das taxas de referência, «uma infração que já é grave», haver «conluio entre bancos que supostamente devem competir entre si».

«A decisão de hoje envia um sinal claro de que a Comissão está determinada a combater e a sancionar estes cartéis no setor financeiro», declarou.