Os juros das Obrigações do Tesouro portuguesas a 10 anos recua 3 pontos base  para 2,37%, um mínimo de sete semanas, em linha com a taxa das OT da vizinha Espanha, que toca mínimos de oito semanas após um leilão, com os investidores tranquilos apesar da vitória das forças separatistas na Catalunha.

Espanha emitiu esta manhã 4.000 milhões de euros (ME) de obrigações a vencer em 2018, 2020 e 2025, com as yields a caírem em todas as maturidades, ajudada pela redução do risco político no curto-prazo após as eleições regionais na Catalunha, segundo alguns investidores.

Apesar das forças separatistas terem ganho a maioria dos lugares no Parlamento Regional da região mais rica de Espanha, com 47,8 pct dos votos – um resultado que, segundo analistas de mercado, não reforça particularmente as ambições de independência da região.

A taxa das obrigações do país a 10 anos recua 2 pb para 1,87% – mínimo de oito semanas -, tendo já recuado 15 pb desde o resultado das eleições de 27 de Setembro.

O desempenho do sector industrial da China continua na mente dos investidores e, apesar dos fracos resultados em Agosto, estes ficaram ligeiramente acima do esperado.

Preocupações com o abrandar da economia chinesa e com os baixos preços das commodities e da energia resultaram num adiamento da subida das taxas de juro pela Reserva Federal nos Estados Unidos, e aumentaram a expectativa de mais estímulos do Banco Central Europeu, reduzindo as taxas das OT europeias nas últimas semanas.

O abrandamento do crescimento da indústria transformadora na zona euro em Setembro reforçou a convicção que o BCE poderá expandir os estímulos.

A yield do Bund alemão, referência principal da dívida europeia, cai 1 pb para 0,58%, tendo recuado 20 pb no último mês.

França também foi hoje aos mercados. A Agence France Trésor emitiu 3.859 milhões de euros de obrigações a vencer em 2025 e 4.136 milhões de obrigações a expirar em 2031. A taxa das OT a 10 anos do país cai 2 pb para 0,88%.