Os juros da dívida soberana portuguesa seguiam esta quarta-feira a subir em todas as maturidades, uma tendência seguida por Espanha, Itália e Grécia.

Há instantes, os juros da dívida soberana a dois anos negociavam nos 4,790%, acima dos 4,785% do dia anterior.

Na quinta-feira passada, 22 de agosto, a Bloomberg procedeu a uma reclassificação das obrigações de referência da dívida pública portuguesa, o que teve um impacto nos prazos inferiores a 10 anos, aumentando em 100 pontos base os juros relativos a dois anos.

Na maturidade a cinco anos, os juros estavam a subir para os 6,192%, abaixo dos 6,155% da sessão anterior.

Esta maturidade mantém-se acima do valor anterior à crise política (na altura de 5,211%).

Durante a crise política, os juros a cinco anos dispararam para 7,324% a 12 de julho, o máximo desde novembro de 2012.

Os juros da dívida soberana portuguesa a 10 anos estavam também a subir para 6,576%, contra os 6,551% na sessão anterior.

A 12 de julho, os juros com aquela maturidade tocaram nos 7,508%.

Os juros da Grécia, Espanha e Itália estavam em alta em todas as maturidades.

No caso de Itália, os juros da dívida soberana a dois anos atingiram a barreira psicológica dos 2,000%.