Os juros da dívida portuguesa estão em alta esta terça-feira à tarde, depois de Paulo Portas ter pedido a demissão do Governo, um dia depois de se saber que também Vítor Gaspar está de saída do Executivo.

A crise política desencadeada pelos dois ministros de Estado está a impulsionar os juros em todas as maturidades.

O impacto mais visível é no prazo a 2 anos, onde a taxa avança 33 pontos base para 4,494%.

No prazo a 10 anos, que serve de referência para o mercado, a taxa está a subir 24 pontos base para 6,787%.

Na maturidade a 5 anos, a taxa aumenta 7,5 pontos base para 5,816%.

A bolsa de Lisboa também ainda sofreu as consequências da notícia da demissão de Paulo Portas, apesar de a notícia ser conhecida apenas poucos minutos antes do fecho da sessão. A praça nacional liderou as quedas entre as bolsas europeias.

Além dos juros da dívida e das bolsas, também o euro reagiu à instabilidade política em Portugal. A moeda única caiu face à divida norte-americana e negoceia nos 1,30 dólares. Uma das razões apontadas pelos analistas citados pela Reuters é a instabilidade no seio da coligação governamental portuguesa.