Os juros da dívida soberana de Portugal estavam esta quinta-feira a descer a dois anos e dez anos e a subir a cinco anos face aos valores de encerramento de quarta-feira.

Às 9:15, os juros a dez anos estavam a ser negociados a 6,388%, depois de terem fechado a 6,390% na quarta-feira e de terem subido até aos 7,508% a 12 de julho, durante a crise política.

Os juros da dívida a dois anos continuavam hoje acima dos valores registados antes da crise, de 3,436% a 1 de julho, e a descer face a quarta-feira para 3,513%, depois de terem fechado a 3,531% na sessão anterior.

Os juros da dívida a dois anos também atingiram um máximo desde novembro de 2012 durante a crise, quando subiram até aos 5,775% a 12 de julho.

No prazo de cinco anos, os juros estavam a negociar a 5,684%, acima dos 5,660% de quarta-feira, mas também em níveis superiores ao valor prévio à crise, de 5,211%, a 01 de julho.

Durante a crise, os juros a cinco anos dispararam para 7,324% a 12 de julho, um máximo desde novembro de 2012.

Os juros têm fechado a cair em todas as maturidades face aos máximos de 12 de julho. e desceram mais acentuadamente depois de o Presidente da República ter anunciado a 21 de julho a manutenção do atual executivo até ao fim da legislatura.

Os juros da dívida soberana de Itália estavam a descer em todos os prazos, bem como os da Grécia a dez anos. Já os de Espanha estavam a subir a dois anos e a descer nos prazos mais longos.