O Tesouro italiano colocou esta sexta-feira o máximo que tinha proposto de 6.000 milhões de euros em títulos a três, cinco e 15 anos, com juros mais baixos nos três prazos, face aos leilões anteriores.

Segundo o Banco de Itália, o Tesouro colocou 3.500 milhões de euros em títulos a três anos a um juro de 2,25%, abaixo da de 2,72% paga na anterior emissão.

A procura atingiu 4.940 milhões de euros, ou seja 1,41 superior à oferta.

No caso dos títulos a 15 anos, também foi colocado o máximo proposto de 1.250 milhões de euros a uma taxa de juro de 4,59%, também abaixo dos 4,88% pagos na emissão anterior. O rácio de cobertura desta emissão foi de 1,59 vezes, já que a procura se cifrou em 1.985 milhões de euros.

O Tesouro também colocou o máximo oferecido de 1.250 milhões de euros em títulos a cinco anos indexados à taxa de inflação a um juro de 2,32%, menos 0,24 pontos percentuais que o juro pago na anterior emissão. O rácio de cobertura da emissão foi de 1,67 vezes.

Depois de algumas semanas de instabilidade após a crise do Governo italiano, a confirmação do executivo de Enrico Letta no Parlamento italiano, a 02 de outubro, devolveram temporariamente a calma aos mercados.