O índice de referência nacional sobe 0,4% e lidera os ganhos na Europa, apoiado nas valorizações da Banca e da Mota-Engil, com os investidores de olhos postos na crucial reunião do Banco Central Europeu que poderá abrir a porta a novos estímulos monetários.

A suportar os ganhos do índice está sobretudo o sector da Banca, com o BPI e o Banif a subirem 1,5% e o Millennium bcp a ganhar 2,8%.

A estrela da sessão é, no entanto, a maior construtora portuguesa, Mota-Engil, que valoriza 3,8%, a recuperar das fortes quedas recentes.

Segundo a Reuters, desde o fecho de há uma semana, dia em que apresentou resultados, até ao mínimo de ontem, o título perdeu 27%, com os investidores preocupados com o disparo de 28% na dívida dos nove meses de 2014.

Teme-se ainda que a carteira de encomendas da Mota Engil seja penalizada pelas dificuldades orçamentais que alguns países africanos como Angola - clientes-chave da construtora - vão sentir, com a forte descida do preço do crude.

Suporte adicional das energéticas, estando a EDP a subir 0,5% e a Galp a ganhar 0,16%.

Em sentido contrário segue a Portugal Telecom, a cair 1,46%.

Recorda a Reuters que o Tribunal de Recurso do Luxemburgo confirmou ontem o processo de falência sem proteção contra credores da Rioforte, a holding da família Espírito Santo que incumpriu o pagamento de 900 ME comprada pela PT SGPS - o alvo de uma OPA lançada pela empresária Isabel dos Santos.

Assim, a Rioforte, à semelhança do que já acontece com a também endividada holding que a controla Espírito Santo International, passará por um processo mais célere de liquidação de ativos do que a alternativa que visava, de elaborar um programa de alienações e reestruturação de dívida.

As restantes principais bolsas do Velho Continente seguem em alta ligeira, beneficiando do fecho positivo dos mercados norte-americanos e asiáticos, com os investidores de olhos postos na crucial reunião do BCE que poderá decidir novos estímulos monetários.