O índice português PSI20 segue a perder 1,2%, pressionado pelas descidas dos pesos-pesados e com a negociação das ações do BPI suspensa, à espera de informação relevante, em linha com uma Europa assustada com as explosões no aeroporto de Bruxelas, segundo analistas.

O principal acionista belga recua 1,1%, numa Europa com quedas de até 1,5% em Madrid. As ações das companhias aéreas, operadores de aeroportos e hotéis são as que mais desvalorizam.

Os títulos das companhias aéreas Easyjet, Air France-KLM, Ryanair e Lufthansa recuam entre 2,6 e 3,7%.

De acordo com a agência de notícias Belga, fortes explosões sacudiram a sala de embarque do aeroporto de Bruxelas esta manhã. Há registo de vários mortos.

"Os eventos que estamos a ver esta manhã em Bruxelas vão pesar no sentimento e no apetite pelo risco", disse Michael Hewson, chief market strategist na CMC Markets, em Londres.

Acrescenta que: "com o aproximar do período de férias da Páscoa, as pessoas vão estra muito relutantes em investir nos mercados de ações. Se alguma coisa, vão provavelmente tirar dinheiro".

Negociação do BPI suspensa

Em Lisboa, as atenções dos investidores estão voltadas para os títulos do BPI, cuja negociação está suspensa até à divulgação de informação relevante.

Na semana passada, uma fonte disse à Reuters que o Caixabank e Isabel dos Santos aproximaram posições e estão a trabalhar num esboço de acordo no BPI, que prevê que o banco espanhol adquira os 18,6% da empresária angolana e a maior telecom de Angola Unitel compre parte dos 50,1% que o BPI tem no angolano BFA e assuma o controlo deste.

O Banco Central Europeu (BCE) deu um prazo ao BPI BBPI.LS, até 10 de Abril, para reduzir a exposição a grandes riscos, nomeadamente ao Banco Fomento de Angola (BFA), que é detido em 49,9% pela Unitel, que tem como acionista-chave Isabel dos Santos.

O Caixabank CABK.MC é o maior acionista do BPI com 44,1% do capital, mas tem mantido uma longa 'guerra' com a Santoro de Isabel dos Santos - a segunda maior acionista que tem travado as investidas do banco espanhol para controlar o segundo maior banco cotado de Portugal. nL5N16O7CB

A pressionar o índice estão as desvalorizações de 2,25% do Millennium bcp, de 1,5% da telecom NOS, de 1% da Galp Energia, de 0,8% da EDP e de 0,5% da Jerónimo Martins.

No mercado secundário de dívida, a yield das Obrigações do Tesouro portuguesas a 10 anos cai dois pontos para 2,77%, em linha com a descida da congénere italiana. A taxa de juro das OT espanholas sobe um ponto para 1,46%.