A yield das Obrigações do Tesouro (OT) portuguesas a 10 anos agrava 8 pontos base (pb) para 2,49%, em linha com subidas das pares espanholas, italianas e alemãs, com receios de um aumento da taxa de juro nos Estados Unidos no próximo mês, após um membro do Federal Reserve ter reforçado essa possibilidade.

O Presidente do Federal Reserve Bank de Atlanta e membro do Federal Open Market Committee, Dennis Lockhart, disse que seria preciso uma "deterioração significativa" na economia dos Estados Unidos para não apoiar a subida da taxa já em Setembro.

Os comentários de Lockhart vêm numa altura em que uma série de dados económicos fracos nos EUA e quedas nos preços das principais commodities têm levado a algumas dúvidas sobre a subida em Setembro e pressão sobre as yields.

"É por causa desses comentários que temos esta venda nos Bunds, e talvez alguma correção técnica porque essas obrigações têm tido um desempenho bastante bom nas últimas semanas," disse Cyril Regnat estrategista no Natixis, citado pela Reuters.


A taxa do Bund a 10 anos, referência principal da dívida soberana europeia, sobe 10 pb para os 0,74%, após ter tocado em mínimos de dois meses ontem.

A equivalente espanhola agrava o mesmo valor para 1,97%, enquanto a italiana sobe 11 pb para 1,89%.

Cyril Regnat recordou que o Banco de Inglaterra reúne amanhã e poderá aumentar taxas, decisão que afetaria, naturalmente, as obrigações europeias.

A yield da dívida grega a 10 anos foge à tendência europeia e negoceia estável nos 11,86%.

O Primeiro-Ministro grego, Alexis Tsipras, disse hoje que o país está próximo de concluir o acordo com os credores para um terceiro resgate, este estimado em até 86.000 milhões de euros (ME), para evitar que Atenas saia da zona euro.