A EDP registou lucros de 100 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, uma subida de 88%, comparando com 53 milhões conseguidos no mesmo período do ano passado.

Em comunicado enviado à Comissão de Mercado e Valores Mobiliários, a empresa refere que até setembro as receitas totalizaram 1,1 mil milhões de euros, devido à maior produção, a um preço superior e aos impactes cambiais.

O EBITDA aumentou 22% 782 milhões, com uma margem EBITDA de 72%.

O investimento operacional totalizou 595 milhões, sendo que a maior fatia, 474 milhões, foi investida na América do Norte, 77 milhões ficaram na Europa e 44milhões foram investidos no Brasil.

A dívida financeira total ascendeu a 4,7 mil milhões, sendo que a dívida líquida aumentou em 404 milhões, devido “aos recebimentos da estratégia de rotação de ativos, e o impacto da consolidação da ENEOP, a apreciação do dólar americano e outras variações cambiais e os investimentos efetuados no período”.

A EDPR produziu 15,0 TWh de energia limpa até setembro, uma subida de 4% da produção. O aumento foi beneficiado pelas adições de capacidade dos últimos 12 meses e o fator de utilização de 28% nos primeiros nove meses do ano (vs. 29% nos 9M14).

Na Europa, a capacidade instalada consolidada totalizava 4,9 GW em setembro, um crescimento de 676 MW. Do total de 4.860 MW instalados na Europa, 4.808 MW são relativos a parques eólicos onshore e 52 MW a solar fotovoltaico (dos quais 50 MW na Roménia e 2 MW em Portugal).