A Bolsa de Lisboa recua 1,6% e acompanha o cenário negativo das pares europeias, com destaque para a queda de 4,4% do Millennium bcp que deu início uma colocação acelerada para vender 15,41% do polaco Bank Millennium, com o objetivo de reforçar os rácios de capital.

«Trata-se de uma notícia esperada pelo mercado. Entendiamos a venda de uma participação de cerca de 15% no Bank Millennium como provável, permitindo ao BCP monetizar parte da sua participação actual face à valorização do título», explicou André Rodrigues, analista do Caixa Banco de Investimento, citado pela Reuters.

As ações do maior banco português cotado, BCP, recuam 4,4%, após ter dado início a uma colocação acelerada para vender 15,41% do polaco Bank Millennium, onde detém uma posição de 65,51%.

BCP realçou que manter o controlo desta rentável subsidiária polaca, que vê como fundamental na sua estratégia.
A deterioração dos rácios do Millennium bcp era uma preocupação dos analistas, que anteviam medidas adicionais de reforço da almofada de capital, incluindo a venda de uma participação nesta rentável unidade polaca.

Adiantou que de acordo com os seus cálculos, «a venda de uma participação de 15,41 pct deverá ter um impacto positivo nos rácios de capital (CET I fully implemented) entre 47 e 53 pontos».

«Por outro lado, terá um impacto negativo de cerca de 25 ME na nossa estimativa de resultados consolidados para o BCP ou 8% do resultado líquido estimado para 2015», frisou.

Pressão adicional dos pesos-pesados EDP, a cair 0,8%, e Jerónimo Martins, a perder 0,6%, aliados ainda às quedas de 1,6% dos CTT, de 1,7% do BPI e de 1,9% da Mota-Engil.

Pela positiva, apenas a Galp Energia com uma valorização de 2,31% para 10,635 euros, acompanhando as subidas das pares europeias e do barril de Brent.

O Brent sobe 3,6% para 58,48 dólares, após a Arábia Saudita e os aliados do golfo árabe terem iniciado uma operação militar no Iémen, embora os importadores não vejam ameaças imediatas ao fornecimento.