A sincronização da forma de calcular os preços de energia elétrica no mercado grossista diário, a nível europeu, prevista para terça-feira, foi adiada para 04 de fevereiro devido a «razões de natureza técnica».

A região Noroeste da Europa tinha definido 26 de novembro como a data para o lançamento do projeto de acoplamento de mercados, que será feito de «forma sincronizada» com o Sudoeste da Europa (que inclui Portugal e Espanha), segundo uma informação disponível na página na internet do Operador do Mercado Ibérico de Energia (OMIE), no início de outubro.

No entanto, durante a reunião do Fórum Europeu de Regulação de Eletricidade (Fórum de Florença), que decorreu nos dias 12 e 13 de novembro, em Milão, o grupo responsável pelo projeto disse que o prazo definido não poderia ser cumprido por «atrasos de natureza técnica», estando o lançamento agora previsto para 04 de fevereiro, segundo as conclusões do encontro.

Em causa está o processo de acoplamento do mercado diário para as regiões Noroeste da Europa e Sudoeste da Europa, tendo como base o sistema Price Coupling of Regions (PCR).

O PCR é uma iniciativa de sete bolsas de energia europeias

«para desenvolver uma solução única de acoplamento de preços, usada para calcular os preços da eletricidade por toda a Europa e atribuir capacidade transfronteiriça numa base diária», o que «é crucial para alcançar o objetivo global europeu de um mercado de eletricidade europeu harmonizado», segundo uma informação disponível na página da REN ¿ Redes Energéticas Nacionais.

Assim, a 04 de fevereiro deverá existir um único algoritmo para calcular as ofertas feitas pelos vários agentes - em termos de preços e quantidades - no mercado grossista a nível europeu.

Este passo no sentido de um preço único no mercado grossista não irá, contudo, refletir-se em preços iguais no mercado retalhista nos diferentes países, porque existem problemas de interligação e porque cada país tem sobrecustos que agravam o preço grossista.