As bolsas europeias terminaram esta sexta-feira a corrigir dos ganhos da semana, que foi a melhor para os mercados dos últimos seis meses. Nem a aprovação, pelo parlamento alemão, do novo apoio à Grécia, impediu os mercados de fecharem no vermelho.

Frankfurt liderou as quedas na Europa, com um recuo de 0,46%, seguida de Lisboa, que desvalorizou 0,42%, Madrid (- 0,25%) e Milão (-0,07%).


Construção arrasta Lisboa


Em Lisboa, o setor da construção foi o que registou as maiores quedas, depois do Instituto Nacional de Estatística ter divulgado uma nova contração das licenças para construção em 2014, de 5,5%, mesmo assim um abrandamento face ao ano anterior. A Mota Engil desvalorizou 4,873%, para 2,6160 euros por ação, e a Teixeira Duarte caíu 3,526%, para 0,6020 euros.

A banca foi também alvo da realização de mais valias, com o BPI a recuar 1,583% (1,1190 euros) e o Banif 1,515% (0,0065 euros pro ação). Outros dos pesos pesados do índice, a Pharol, desvalorizou 1,266%, para 0,39 euros por ação.

Ainda nos mercados, destaque para o anúncio feito pela agência que gere a dívida pública de novas emissões de obrigações, na semana que vem, num valor que pode chegar aos 1250 milhões de euros, com maturidades de 5 e 22 anos.