O índice de referência PSI20 ganha 0,6%, suportado pela Galp e a EDP, em sintonia com os ganhos na Europa, numa sessão em que os investidores estão focados na reunião mensal do Banco Central Europeu, que deverá resultar no anuncio de novos estímulos monetários à economia.

"O mercado está a aguardar a reunião do BCE, com grande expectativa que introduza mais estímulos, reforçando de forma enérgica a política inflacionista, com cortes nas taxas de depósitos e um aumento do programa de compra de dívida soberana," disse Paulo Rosa, corretor da GoBulling no Porto, à Reuters.

"Esta expectativa já está incorporada pelos mercados, e se os estímulos forem menos fortes que os esperados, os índices poderão recuar, mas por enquanto os investidores estão confiantes," adiantou.

O índice Eurofirst300 que agrega as 300 maiores equities europeias, ganha 0,6%, com a Bolsa de Paris a somar 1% e a de Frankfurt 0,94%.

O Conselho de Governadores do BCE deverá emitir um comunicado com as decisões principais às 1245 horas, seguido de uma conferência de imprensa às 1330 horas com Mario Draghi, presidente do banco.

Em Lisboa, a Galp sobe 1,84%, numa sessão em que o preço do barril de Brent recupera 2% para 43,34 dólares, apoiado por notícias que a Arábia Saudita poderá propor um corte na 1 milhão de barris por dia na produção da OPEP, na reunião de amanhã.

A gestora de fundos Schroders voltou a apostar no mercado de capitais português, comprando ações da Galp, porque a vê como a 'oil&gas' mais atrativa da Europa, 'barata' e resiliente aos baixos preços de crude, pois a sua produção vai disparar nos próximos anos.

Suporte adicional de dois pesos-pesados, com a EDP a avançar 1,76% e a Jerónimo Martins a subir 0,5%.

A NOS soma 0,20%. A empresa confirmou ontem que que acordou a compra de direitos televisivos para a transmissão de jogos de futebol da equipa principal do Benfica no Estádio da Luz.

O contrato terá início na época desportiva 2016/2017 e uma duração inicial de três anos, podendo ser renovado até um total de 10 épocas desportivas, com uma contrapartida financeira global de 400 milhões de euros (ME).

"É uma compra importante para a NOS, embora a notícia já estava incorporada na cotação do título," disse Paulo Rosa, da GoBulling.

Este corretor frisou que um aspeto relevante é que o contrato inicial é de três anos, podendo ser renovado por qualquer das partes, "o que é benéfico para a NOS e para a SAD do Benfica".

As ações do Benfica, fora do PSI20, disparam 10,76% para 1,419 euros, embora com somente 1.000 títulos negociados.

Cenário negativo na banca, com o Banif a tombar 8,33%, o BCP a recuar 1,57% e o BPI a deslizar 0,09%.

A Pharol cai 0,31% e prolonga uma semana negativa em que já tombou 13%, castigada por contas e perspetivas negativas da Oi, operadora brasileira na qual é a maior acionsta.

A 'yield' das Obrigações do Tesouro portuguesas a 10 anos sobe 1 ponto base para 2,29%, em linha com variações ligeiras das equivalentes europeias, com os investidores à espera da conferência de imprensa de Draghi.

O euro deprecia-se 0,5% para 1,056 dólares, penalizada pelo iminente introdução dos novos estímulos do BCE.