A bolsa nacional fechou a sessão desta quinta-feira a valorizar. Lisboa liderou mesmo as subidas entre as restantes pares europeias.

O índice PSI20 ganhou 3,73% para 5.431,60 pontos, com a banca a destacar-se, depois da forte queda registada na sessão de ontem.

Dos 20 títulos que compõem o principal índice da bolsa lisboeta, 18 fecharam a ganhar e apenas o Espírito Santo Financial Group (a holding que detém o BES) e a Altri desvalorizaram.

Nas subidas, destaque vai para os títulos da banca, com o BES a subir mais de 11% para 0,61 euros. Já o Banif superou os 10% e o BCP os 9%, ambos para nove cêntimos por ação. O BPI cresceu 7,76% para 0,89 euros.

Além da banca, os fortes ganhos foram estendidos às três cotadas do grupo Sonae (Sonae, Sonae Indústria e Sonaecom) e à Mota Engil, a superar os 5%.

Nos «pesos pesados», títulos com maior ponderação, as cotadas Galp, EDP, Portugal Telecom e Jerónimo Martins fecharam com valorizações acima dos 2%.

O PSI20 teve hoje um movimento de recuperação depois das fortes quedas de quarta-feira, quando encerrou a cair 5,31% com todos os títulos no 'vermelho' e com o setor financeiro a perder cerca de 10%.

Segundo os analistas do BPI Online, a melhoria da bolsa de Lisboa terá sido o resultado da tentativa de negociação entre os líderes do PSD, Passos Coelho, e do CDS-PP, Paulo Portas, para manterem a coligação de Governo.

Também no mercado secundário de dívida, houve hoje um alívio dos juros dos títulos soberanos de Portugal a 10 anos, depois de na sessão de quarta-feira terem chegado a superar os 8%.

Durante a sessão de hoje, por decisão da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), estiveram proibidas as vendas a descoberto das ações do BES, BCP e Sonae Indústria, depois destas cotadas terem fechado na quarta-feira com quedas acima dos 10%.

O regulador pode impedir estas transações sempre que se verifique uma diminuição de 10% ou mais no preço das ações em causa, em relação ao preço de fecho do dia de negociação imediatamente anterior.

As vendas a descoberto ('short selling') são uma transação financeira que consiste na venda de um ativo que o investidor pede emprestado, esperando que o seu preço caia, para o recomprar mais tarde por um valor inferior.