A bolsa de Lisboa fechou a perder 0,33 pct, penalizada pelas quedas de Jerónimo Martins e Portugal Telecom, continuando as yields soberanas a agravar com a incerteza criada por uma possível vitória do 'Sim' no referendo da independência da Escócia.

O PSI20 fechou nos 5921 pontos, com seis títulos em

queda.

«A negociação por parte dos principais índices europeus foi bastante lateral, com pouca volatilidade e manutenção das consolidações nas zonas de topo», disse Tiago da Costa Cardoso, gestor da XTB Portugal.

«Na praça portuguesa, a performance foi transversal às

restantes congéneres europeias, com destaque para a correção da PT que, depois de vários dias a subir, pressiona, a nível técnico, a tentativa de mais um mínimo», acrescentou, citado pela Reuters.

A penalizar, a Jerónimo Martins recuou 1,6% e a PT 3,26%. A EDP deslizou 0,6% e o BPI 1,32%.

A evitar queda mais abrupta do índice, a Galp avançou 0,1%, o Millennium bcp 0,28% e a Semapa 2,3%.

Fora do PSI20, a Espírito Santo Saúde (ESS) fechou

praticamente estável nos 4,39 euros.

Ontem, a Administração da ESS disse que considera que o

takeover lançado pelos mexicanos da Ángeles pode trazer a crucial estabilidade acionista e gerar valor, sendo o preço oferecido de 4,3 euros por ação aceitável, embora possa não conter a totalidade de um prémio de controlo.

Os índices europeus fecharam sem tendência definida, entre

uma queda de 0,6% de Viena e a subida de 0,5% de Lisboa.

Há também o temor que a Reserva Federal dos Estados Unidos

restrinja a sua política monetária, subindo as taxas de juro diretoras, mais cedo do que se previa.