A Bolsa de Lisboa fechou em baixa, pressionada pelo tombo de 19,5% da Portugal Telecom, contrariando os ganhos de uma Europa animada com a perspetiva de novos estímulos por parte do Banco Central Europeu (BCE), após a queda da inflação na zona euro.

O índice de referência nacional PIS20 caiu 0,73% para 4.606,25 pontos.

As ações da PT SGPS fecharam a cair 19,5%, após terem chegado a afundar 20,8% para o mínimo histórico em 0,642 euros, castigada pelo risco de uma crucial Assembleia Geral (AG) ser adiada e atrasar a venda dos ativos portugueses da telecom à Altice.

«O eventual adiamento da AG são más notícias para a Oi e para a PT SGPS porque iria adiar o processo de venda da PT Portugal à Altice», disse João Lampreia, analista do Banco Big em Lisboa, citado pela Reuters.

Lembrou que «a Oi tem um grau de urgência relativamente significativo, visto o seu nível de alavancagem, debilidades do ponto de vista operacional e o recente declínio da margem, precisando da liquidez da venda da PT Portugal para participar em movimentos de consolidação no Brasil».

Os acionistas da PT SGPS têm agendada para dia 12 de Janeiro uma AG que visa deliberar sobre a venda dos ativos portugueses da PT Portugal aos franceses da Altice, já acordada entre a Altice e a brasileira Oi, dona da PT Portugal.

Para o Chief Executive Officer (CEO) do BPI, Fernando Ulrich, «a fusão da PT SGPS com a Oi tem de ser travada urgentemente pois é a queda da cotação da telecom brasileira que está a provocar uma monstruosa destruição de valor da empresa portuguesa, sendo uma tragédia para os accionistas da PT SGPS».

O Diário Económico avança hoje que a AG poderá ser adiada porque não deverá ser possível informar, em tempo útil, os acionistas do resultado da auditoria encomendada pelo conselho de administração da PT SGPS à PriceWaterhouseCoopers(PwC).

A PT foi ontem alvo de buscas policiais no âmbito de um inquérito sobre suspeitas de burla qualificada, estando a investigação focada em aplicações financeiras realizadas pela empresa, anunciou a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Pressão adicional da banca, tendo o BPI recuado 3,94% e o Millennium bcp desvalorizado 2,43%.
A EDP caiu 0,13% e a Jerónimo Martins perdeu 0,39%.

A impedir uma queda maior do índice esteve a oil & gas Galp Energia, com uma subida de 1,58%, num dia indefinido para o petróleo nos mercados internacionais.