A bolsa de Lisboa conseguiu fechar a semana com saldo positivo, depois de várias sessões de emoções fortes. O PSI20 ganhou 0,19% para 5.776,94 pontos esta sexta-feira, acabando por ganhar 0,27% no conjunto da semana.

A ajudar a praça esteve hoje a Jerónimo Martins. Após sete sessões consecutivas em queda, em que foi fortemente penalizada pelos resultados do primeiro semestre do ano, a retalhista acabou por recuperar e subir 1,48% para 14,77 euros esta sexta-feira. Mas o saldo da semana para a empresa está longe de ser otimista: perdeu 7,6%. Vários bancos de investimento cortaram o preço alvo das suas ações e o BESI baixou mesmo as previsões de resultados da empresa para os próximos três anos.

Ainda no verde, ajudaram a praça as ações da Galp, com um ganho de 1,14% para 12,44 euros, da PT, que avançaram 0,13% +ara 2,92 euros, e do BCP. O banco foi o único do setor a ganhar terreno hoje, trepando 1,05% para 9,6 cêntimos.

Já o BPI desceu 1% para 99 cêntimos e o BES afundou 1,85% para 74 cêntimos. Pior, só o Banif, que deslizou 7,69% para 1,2 cêntimos. No conjunto da semana, as ações do banco recuaram 76% na semana, com a cotação a ajustar-se ao aumento de capital de 100 milhões de euros, em que as novas ações foram colocadas a um cêntimo cada. Os novos títulos começaram a negociar esta quarta-feira.

Nota ainda para a EDP, que acabou a perder 0,26% para 2,66 euros, apesar de ter chegado a tocar hoje o valor mais alto dos últimos dois anos.

No resto da Europa, a maioria das praças fechou no vermelho, com Londres a cair 0,51%, a maior descida entre as pares. No verde, além de Lisboa, só Madrid, que trepou 0,4% e Paris, em alta de 0,07%.

Nos EUA, predomina o pessimismo, depois de se saber que, apesar de a taxa de desemprego ter caído duas décimas para 7,4% no mês passado, a maior economia do mundo criou apenas 162 mil empregos, menos do que o esperado.