O Banco Central Europeu (BCE) e o Banco Popular da China, banco central da China, acordaram uma linha de intercâmbio bilateral de euros e yuans durante três anos.

Segundo um comunicado divulgado esta quinta-feira e citado pela Lusa, o BCE poderá aceder a um máximo de 350 mil milhões de yuans através da criação desta linha.

Em troca, o Banco Popular da China poderá aceder a 45.000 milhões de euros.

«A partir da perspetiva do Eurosistema (formado pelo BCE e pelos bancos centrais da zona euro), o acordo vai servir como um apoio de facilidade de liquidez», refere o BCE.

Este acordo de intercâmbio de euros e yuans a três anos foi criado no contexto de rápido crescimento do comércio bilateral e do investimento entre a zona euro e a China, bem como da necessidade de assegurar a estabilidade dos mercados financeiros.

O BCE adianta que para o Eurosistema o acordo de intercâmbio de divisas assegura aos bancos da zona euro o contínuo aprovisionamento de yuans.

Atualmente, o BCE tem também um acordo de intercâmbios de divisas com a Reserva Federal norte-americana (Fed).