A vice-presidente do conselho de administração do Banif, Teresa Roque, enalteceu a «procura tremenda» de ações do banco no aumento de capital da entidade apesar do contexto recente de instabilidade política em Portugal.

«Houve uma procura tremenda das ações e isto num contexto altamente complicado de instabilidade política. Os nossos clientes continuam a acreditar no banco», declarou Teresa Roque à agência Lusa, à margem de um acordo entre o banco e a EPIS (Empresários pela Inclusão Social) sobre um programa de bolsas sociais para estudantes.

Teresa Roque disse ainda estar convencida que se o aumento de capital do Banif não tivesse decorrido «nesta semana e meia de instabilidade política» a procura das ações teria sido «mais do dobro» do que a que se verificou, ainda assim «muito» superior do que o volume disponibilizado, sublinhou.

O Banif anunciou esta segunda-feira que o número de ações solicitadas no âmbito do aumento de capital de 100 milhões de anos foi superior às disponibilizadas, tendo a distribuição dado prioridade aos subscritores que apresentaram mais solicitações.

De acordo com informação divulgada pelo Banif na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o fator de rateio foi de 0,6, o que significa que foram solicitadas 16,1 mil milhões de ações para uma oferta de 10 mil milhões.

Em termos financeiros, a procura apresentou um valor de 161,8 milhões de euros para uma oferta de 100 milhões.

«Tendo o total de ações solicitadas sido superior ao número máximo de ações disponíveis, procedeu-se a rateio das mesmas, com aplicação do critério de rateio previsto no prospeto, tendo sido as ações atribuídas aos subscritores proporcionalmente ao número de ações que foram solicitadas na respetiva ordem de subscrição», explicou o Banif no comunicado.

O banco adianta ainda que as ações que não foram atribuídas assim, «foram sorteadas, por uma só vez, para subscrição por entre os investidores que não tenham visto integralmente satisfeitos os seus pedidos de subscrição».

No entanto, sublinha o Banif, a oferta de ações «encontra-se dependente da realização da Operação Pública de Subscrição de obrigações que irá decorrer entre 24 e 26 de julho».

A assinatura do acordo entre o Banif e a EPIS, hoje firmado em Lisboa, tem como objetivo beneficiar 12 alunos do ensino secundário do continente e regiões autónomas da Madeira e dos Açores.

O Banif compromete-se com esta iniciativa a apoiar o programa de bolsas sociais da EPIS¿ Escolas de Futuro, ao longo dos próximos três anos, com início já no ano letivo 2013/2014.