O Conselho Geral Independente anunciou o chumbo do plano estratégico da RTP e considera que a administração violou o princípio de lealdade com o órgão por não ter informado sobre os direitos da Liga de Campeões.

«O CGI considera que o PE [Plano Estratégico] re-submetido pelo CA [Conselho de Administração], não obstante a sua aparente não desconformidade com o PDR [Plano de Desenvolvimento e Redimensionamento], revela insuficiência que o fere de qualquer eficácia», adianta o órgão em comunicado.

«Esta insuficiência manifesta-se na débil natureza qualitativa e na ausência de especificação das suas propostas», pelo que «o CGI declara o PE apresentado pelo CA não aprovado».

Comunicado do Conselho de Administração da RTP

Por outro lado, o órgão que supervisiona a administração da RTP considera que a proposta para a transmissão dos direitos televisivos da Liga de Campões deveria ter sido comunicada ao CGI, não só por ser de natureza estratégica, mas «tanto mais quanto o CA se encontrava em posição de submeter, e logo de re-submeter, ao CGI o seu Plano Estratégico para o período final do mandato em Setembro de 2015».

Este órgão lembra que «apenas tomou conhecimento desta proposta em 20 de novembro de 2014 pela imprensa, tendo a proposta final sido assinada pelo CA em 10 de novembro de 2014».

Nesse sentido, «Sem querer pronunciar-se sobre os méritos ou deméritos da proposta, o CGI considera que o dever de colaboração, e o princípio de lealdade institucional que lhe subjaz, foram violados pelo CA» liderado por Alberto da Ponte.
No comunicado, o CGI relembra que a administração da RTP submeteu a 03 de outubro o projeto estratégico, o qual o órgão «considerou inaceitável» por, entre outras razões, «conter contradições internas insanáveis» e «com frequência consistir na remissão para documentos ancilares externos, sem todavia os reconciliar».

Outras das razões apontadas pelo CGI é o facto daquele projeto invocar, «depois de declarada a sua identidade com o Plano de Desenvolvimento e Redimensionamento, por razões exógenas supervenientes que impossibilitariam o cumprimento de diversas obrigações contidas quer no PDR, quer no contrato de concessão do serviço público de televisão que, apesar disso, o CA declarava estar em condições de assinar».

O órgão liderado por António Feijó pediu à administração, numa reunião de 20 de outubro, que re-submetesse o projeto estratégico «num único documento internamente coerente», o qual aconteceu a 17 de novembro.

«O PE re-submetido defende que em 2015 será o ano da consecução convergente das seguintes'ambições estratégicas: a conclusão bem-sucedida do PDR; o cumprimento do novo Contrato de Concessão do Serviço Público de Rádio e Televisão (CCSP) e das suas exigentes obrigações'», refere o CGI, que chumbou o projeto após «uma análise detalhada».

Por outro lado, o órgão supervisor da administração da RTP considera ser necessário analisar atuações conjunturais recentes do CA.

Recordando o «intenso debate público» relativo à proposta vinculativa de compra de direitos de transmissão dos jogos da Liga dos Campeões de futebol para o período 2016-2018 apresentado à UEFA pela administração da RTP, o órgão aponta que "independentemente do que se possa pensar da adequação, ou não, dessas transmissões à noção de serviço público, a sua aquisição, quer no montante financeiro envolvido, quer pelas implicações que terá na grelha de programação, quer no alcance concorrencial da decisão, é de natureza estratégica».

Por isso, «a operação deveria ter sido submetida ao CGI» argumenta o órgão.