O Fundo Monetário Internacional congratulou-se a decisão do Banco Central Europeu de baixar as taxas de juro e com a indicação de que atuará de novo se for necessário.

«Congratulamo-nos vivamente com a posição muito dinâmica adotada hoje pelo BCE», declarou o porta-voz do FMI, Gerry Rice, numa conferência de imprensa em Washington.

O BCE cortou hoje a taxa de juro diretora para o novo mínimo histórico de 0,15% e colocou em valor negativo a taxa de depósitos (-0,10%), sendo esta última uma medida inédita num banco central de grande dimensão.

Nos últimos meses, o FMI tinha sugerido por várias vezes que o BCE deveria passar à ação para afastar a ameaça de deflação, o que chegou mesmo a causar alguma irritação na Europa.

No início de abril, o presidente do banco central, Mario Draghi, agradeceu ironicamente ao FMI os conselhos «generosos».

O FMI manifestou agora a sua satisfação pela sugestão de que o BCE está disponível para fazer mais.

«Ficámos satisfeitos por o presidente Draghi ter indicado que o BCE está disponível para fazer mais se for preciso», afirmou Rice.