Nos Estados Unidos da América, perante investidores, o ministro das Finanças português admitiu que Portugal a retoma da economia ainda é fraca, mas que "a estabilidade política é uma garantia". Um dos argumentos utilizados por Mário Centeno para convencê-los a apostar em Portugal.

"Portugal atravessa um processo de retoma que ainda está na infância (...). A retoma é tímida, muito recente e segue-se a um período de 'performance' muito fraco no segundo semestre de 2015".

Para o jantar que encerrou um fórum internacional sobre Portugal e as relações económicas com os Estados Unidos, e que reuniu cerca de 110 investidores, empresários, responsáveis políticos e economistas no Harvard Club, em Manhattan, Centeno levou a mensagem de que "Portugal é um ambiente estável para os investidores", que "a reforma da administração pública está a avançar" e que "o plano nacional de reformas terá os resultados previstos".

"A estabilidade política é uma garantia em Portugal. Não temos as ameaças da extrema esquerda ou direita, como em outros países, e há um diálogo permanente com os parceiros sociais".

Durante o evento da Câmara Luso-Americana de Comércio, que contou com o apoio da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), o ministro disse que "depois de seis meses, já é possível desfazer algumas das ideias feitas que existiam no inicio" sobre o Governo do Partido Socialista.

"Estamos comprometidos em conquistar capital [de confiança] junto das instituições da União Europeia. Não estamos a desvalorizar riscos ou ignorar a dívida. Estamos a ser cautelosos e estamos atentos a riscos externos e internos. (...) A execução orçamental está a ser rigorosamente cumprida, com um controlo muito rigoroso da despesa" 

Disse ainda que, alguns pontos, como na cobrança fiscal, "está acima do previsto no orçamento", cita a Lusa.

Apesar deste tom otimista, o governante admitiu, no final de abril, que há riscos para a economia portuguesa que podem afetar as previsões de crescimento.

Falando dos cerca de 250 mil jovens que abandonaram o país nos últimos anos, Centeno apontou que "o Governo quer criar as condições para que tomem uma decisão informada sobre onde querem ficar e quer que esse lugar seja Portugal."

"Temos uma população jovem muito bem formada, a par dos mais altos 'standards' internacionais, e precisamos arranjar lugar para ela no mercado de trabalho. É também por isso que o investimento internacional, de empresas maduras e bem organizadas, é tão importante", explicou.

Esta terça-feira, o ministro participa nos Pan European Days, uma iniciativa da Bolsa Portuguesa que promove cerca de uma centena de encontros em Boston e Nova Iorque entre empresas do PSI20 (principal índice da Bolsa de Lisboa) e investidores, além de um conjunto de palestras.