Há 17 interessados na compra do Novo Banco. O número foi divulgado, esta quarta-feira, pelo Banco de Portugal, em comunicado enviado às redações. O regulador não divulgou, no entanto, os nomes das instituições que estão interessadas.
 
O prazo para a entrega das manifestações de interesse terminou às 17:00 desta quarta-feira.
 
No seguimento do convite do Fundo de Resolução, publicado a 4 de dezembro, «17 entidades manifestaram interesse no procedimento de alienação do Novo Banco S.A. dentro do prazo fixado (até às 17h00 de 31 de dezembro de 2014)», refere-se no comunicado divulgado pelo Banco de Portugal.

Ainda sobre a primeira fase do procedimento de alienação do Novo Banco, o Banco de Portugal acrescenta que, «por motivos de confidencialidade», enquanto promotor da transação não vai tornar pública a lista daquelas entidades.
Para já só se conhecem os nomes de cinco entidades na corrida pela entidade bancária: BPI, Santander, Banco Popular e os fundos de investimento Fosun e Apollo. 

 Ainda antes de a informação ter sido divulgada publicamente pelo Banco de Portugal, o Governo congratulou-se com as diferentes manifestações de interesse para a compra do Novo Banco.
 
No final do Conselho de Ministros, Luís Marques Guedes, embora dizendo que o processo não passa pelo Governo, realçou que a existência de vários interessados é a prova «de uma boa saúde do sistema financeiro em Portugal».

Como está definido no caderno de encargos, o Banco de Portugal vai agora verificar se «os requisitos de pré-qualificação são cumpridos por parte de cada entidade que manifestou interesse no procedimento de alienação do Novo Banco».

O Banco de Portugal poderá ainda pedir mais documentação e comunicará a decisão, individualmente a cada uma daquelas entidades.

Após assinarem um acordo de confidencialidade, as entidades pré-qualificadas receberão informação adequada sobre o grupo Novo Banco, uma comunicação detalhada sobre a fase seguinte do procedimento, e serão então convidadas a apresentar propostas não vinculativas, afirma ainda o Banco de Portugal.

A «atratividade da oferta financeira» será o principal critério de escolha entre as propostas apresentadas para compra do Novo Banco, cujo procedimento de venda tem quatro fases: manifestações de interesse, propostas não-vinculativas, propostas vinculativas e decisão final.

Nos termos do anúncio de lançamento da venda publicado no início de dezembro na imprensa pelo Fundo de Resolução, que detém 100% do Novo Banco, o segundo critério mais valorizado na escolha do comprador será a «disponibilidade [...] para adquirir a totalidade dos ativos colocados à venda na operação».

Seguem-se os «planos estratégicos e de desenvolvimento para o Novo Banco e quaisquer compromissos com estes relacionados assumidos pelos potenciais compradores» e o «impacto geral da operação na concorrência e estabilidade financeira do setor bancário em Portugal».

A 3 de agosto, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades: o chamado 'banco mau' (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas) e o banco de transição que foi designado Novo Banco.