O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, afirmou esta quarta-feira que nunca discutiu, nem sugeriu, nomes para o novo Conselho de Administração (CA) da RTP.

«Nunca sugeri, nem discuti qualquer nome do Conselho de Administração [da RTP], nada, só soube dos nomes depois de terem sido escolhidos», disse o ministro em resposta ao PCP, na comissão parlamentar para a Ética, a Cidadania e a Comunicação.

Também o presidente do Conselho Geral Independente (CGI), António Feijó, já tinha sublinhado, na mesma comissão parlamentar, na semana passada, que a escolha do novo CA tinha sido apenas e exclusivamente feita pelo órgão supervisor da RTP.

«Às vezes parece-me que o PCP tem alguma dificuldade em aceitar um modelo independente», como o do CGI, que é escrutinado pela Assembleia da República, disse o ministro, citado pela Lusa.

«Porque, se calhar, vai perder um tema que durante muitos anos foi útil politicamente», acrescentou o governante, lembrando que a RTP sempre foi «objeto de combate político», o que «foi extremamente prejudicial» para a empresa.

Governo quer concluir negociação de contrato com Lusa ainda este mandato

Na comissão parlamentar para a Ética, a Cidadania e a Comunicação, Miguel Poiares Maduro, afirmou ainda que pretende concluir a negociação do contrato de prestação do serviço público entre a agência Lusa e o Estado ainda durante este mandato.

Poiares Maduro lembrou que a nova administração da Lusa, presidida por Teresa Marques, entrou «em funções há muito pouco tempo», pelo que ainda não se iniciou a discussão sobre os pressupostos do novo contrato de serviço público.

O ministro disse que a administração está «nestas primeiras semanas» essencialmente «centrada na avaliação da situação financeira da empresa». Depois deste período, «seguramente iremos iniciar a discussão sobre o contrato de prestação de serviço público» com a Lusa, acrescentou. «É algo que gostaríamos de concluir ainda no mandato deste Governo», salientou o ministro.

Miguel Poiares Maduro considerou ainda os novos administradores da Lusa - Teresa Marques, João Silveira Lobo e Luís Mah - «pessoas com toda a credibilidade e muita competência para a matéria».

Sobre as orientações estratégicas para agência noticiosa, o ministro reiterou o «reforço da internacionalização, [a] transição para o digital e conceber a Lusa como uma escola de jornalismo».

Miguel Poiares Maduro disse que depois de resolvido o dossiê da RTP, agora a tutela irá iniciar o processo de revisão do contrato de prestação de serviço público com a agência Lusa, o qual termina no final deste ano.

A nova administração da Lusa foi nomeada, em assembleia-geral de acionistas, a 19 de janeiro último.