A Confederação de Serviços de Portugal (CSP) apresentou esta quarta-feira um conjunto de preocupações ao Presidente da República, entre as quais a necessidade de um «consenso político» para a existência de um quadro fiscal e estável.

Em declarações à Lusa, após o encontro entre os representantes da CSP e o Presidente da República, Cavaco Silva, o presidente da confederação, Luís Reis, adiantou que foram apresentadas algumas preocupações da entidade, nomeadamente na área da fiscalidade, financiamento e de simplificação administrativa.

«Manifestámos a ideia de ser importante haver um consenso político para podermos ter um quadro estável e previsível» relativamente à fiscalidade.

Outra das preocupações foi o financiamento da economia.

«Tem melhorado, mas continua a ser um fator de falta de competitividade», pelo que a confederação apresentou as suas preocupações em relação «à disponibilidade, maturidades, financiamento», disse.

Além disso, Portugal acaba por perder competitividade nesta matéria no âmbito do quadro europeu.

Luís Reis sublinhou que as empresas enfrentam muitas burocracias em Portugal, o que «coloca entraves ao desenvolvimento, nomeadamente em termos de investimento».

Por isso, «será extremamente importante» avançar para uma simplificação administrativa, uma medida que a CSP tem vindo a defender desde a sua criação.

Luís Reis disse que foi importante para CSP ter sido recebida pelo Presidente e que a confederação manifestou a disponibilidade para «colaborar de forma permanente com todas as instituições».

De acordo com o presidente da CSP, Cavaco Silva «manifestou-se sensível às preocupações» apresentadas pela confederação.