O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares escusou-se hoje a avançar um valor para os cortes na despesa do Estado em 2015, mas declarou que se forem inferiores ao previsto tal será «gratificante» para os portugueses.

Luís Marques Guedes, que falava em conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros de hoje, lembrou que há cerca de dois meses foi avançado pelos partidos da oposição um montante na ordem dos 2,5 mil milhões de cortes para 2015, e agora os números avançados são significativamente inferiores.

«Ainda há cerca de dois meses os partidos da oposição tentaram criar uma notícia de que para o OE de 2015 seria necessária uma redução na despesa com um significado grande. Na altura apontaram para 2,5 mil milhões de euros», disse, lembrando que Portugal tem de atingir em 2015 um défice de 2,5% do PIB.

O ex-líder do PSD Marques Mendes disse esta semana no seu espaço de comentário na SIC que o Conselho de Ministros já começou a discutir o Documento de Estratégia Orçamental para 2015, no qual constam os cortes do próximo ano.

«Já há um número. Os cortes em 2015 vão oscilar entre os 1,5 e 1,7 mil milhões de euros», afirmou.

Marques Guedes, questionado pelos jornalistas, escusou-se a comentar estes valores, mas sublinhou que a concretizarem-se serão significado de um «caminho mais curto» que o previsto que Portugal terá de percorrer a breve trecho para estabilizar as suas contas públicas.

«Esses valores a confirmarem-se significam exatamente que o caminho que temos pela frente é um caminho mais curto. Mas é um caminho que temos de percorrer, que o país sabe que temos de percorrer, e os partidos da oposição sabem que temos de percorrer, nomeadamente quem assinou o tratado orçamental», sublinhou o governante.