O lucro da Media Capital subiu 5% no ano passado, face a 2014, para 17,3 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a dona da TVI.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Media Capital refere que o total de rendimentos operacionais caiu 3% no ano passado, face ao período homólogo, para 174,4 milhões de euros.

Os rendimentos da televisão caíram 4% para 141,6 milhões de euros, enquanto os da produção audiovisual subiram 4% para 41,6 milhões de euros. Os rendimentos da rádio, por sua vez, cresceram 17% para 18,8 milhões de euros, no período em análise.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) diminuiu 2% para 40,1 milhões de euros, com a margem EBITDA a progredir 0,3 pontos percentuais para 23%.

Os resultados operacionais (EBIT) recuaram 5% para 30,9 milhões de euros.

No segmento da televisão, as receitas de publicidade aumentaram 1% no ano passado, face a 2014, para 97,5 milhões de euros, enquanto os outros rendimentos recuaram 14% para 44,1 milhões de euros.

Relativamente aos outros rendimentos, que englobam entre outros, proveitos de cedência de sinal e serviços multimédia, recuaram 15% no último trimestre de 2015, "em virtude sobretudo dos menores rendimentos com serviços multimédia, não suficientemente compensados pelo incremento em direitos de sinal", refere a Media Capital.

A quebra de 14% anual, segundo a dona da TVI, deve-se aos motivos anteriormente referidos.

Os gastos operacionais, ex D&A, diminuíram 2% para 110 milhões de euros.

O EBITDA da televisão diminuiu 9% para 31,5 milhões de euros, de acordo com a Media Capital, e a margem recuou 1,4 pontos percentuais para 22,3%. O resultado operacional sofreu uma queda de 8% para 28,8 milhões de euros.

Já no segmento da produção audiovisual, os outros rendimentos subiram 4% para 41,6 milhões de euros, o EBITDA subiu 12% para um milhão de euros e o resultado operacional, embora negativo, melhorou face ao período homólogo.

Neste segmento, "verificou-se ainda a alienação de ativos fixos não estruturais para o desenvolvimento futuro da atividade", refere o grupo de media.

Em Portugal, os rendimentos operacionais aumentaram perto de 30% em termos homólogos no trimestre, com maior atividade de produção televisiva e aluguer de meios de produção, compensando a menor atividade de construção de cenários, mesmo sem considerar a alienação acima referida", adianta.

No acumulado, verificou-se igualmente uma subida da atividade de produção televisiva, a qual compensou os menores rendimentos associados aos restantes negócios", refere, acrescentando que em Espanha "os rendimentos operacionais refletiram uma melhoria da faturação para clientes daquele país no último trimestre do ano".

Na rádio, a publicidade aumentou 9% para 16 milhões de euros, os outros rendimentos subiram 106% para 2,7 milhões de euros e o EBITDA cresceu 55% para 6,9 milhões de euros. O resultado operacional avançou 35% para quatro milhões de euros.

Relativamente ao 'cash flow' (fluxos de atividades operacionais), este mais que duplicou (163%) no ano passado, para 29,1 milhões de euros.

Uma parte relevante da melhoria (8,6 milhões de euros) está relacionada com o facto de, em 2014, o grupo Media Capital ter substituído, durante o terceiro trimestre, o montante que tinha contratado em 'factoring' por emissão de obrigações, o que levou na altura a um impacto negativo e pontual no 'cash flow' operacional", explica a empresa.

O 'cahs flow' das atividades de investimento foi de 4,1 milhões de euros negativos, o que compara com 3,5 milhões de euros negativos em 2014.

Não obstante a distribuição de dividendos (15,8 milhões de euros), o endividamento líquido registou um decréscimo de 3% (-3,5 milhões de euros) face a dezembro de 2014, situando-se no final de 2015 em 112,2 milhões de euros", adianta, referindo que o grupo Media Capital "mantém, assim, uma confortável estrutura de capital".